terça-feira, 29 de abril de 2008

Desafio 3 em 1

Do Carlos do I Blog Your Pardon chegou um desafio que consiste em:

a) escolher UM disco que tenha sido muito importante nas nossas vidas e sobre ele dizer algo em TRÊS linhas apenas, não mais.

b) escolher UM livro que tenha sido muito importante nas nossas vidas e sobre ele dizer algo em TRÊS linhas apenas, não mais.

c) escolher UM filme que tenha sido muito importante nas nossas vidas e sobre ele dizer algo em TRÊS linhas apenas, não mais.

 

Este desafio levanta dificuldades óbvias de precisão. É aquilo e aquilo mesmo. Não abre a porta à indecisão e a várias razões que nos levaram à escolha deste ou daquele título.

 

As respostas:

a) por simbolar 4 anos de descobertas fantásticas enquanto estive a estudar na capital, temos os Velvet Underground com este albúm que acabei por comprar só no final do curso na Feira da Ladra:

velvet

b) por me ter marcado terrivelmente, suponho que não tinha idade para o ler!, destaco o livro que me fez apaixonar pela leitura, aquela que nos leva a viver sem sairmos da segurança do nosso quarto:

FilhosDrogaGR

c) por último, provavelmente a razão pela qual eu adoro o Ethan Hawke e mais tarde me apaixonei por Before Sunrise, o filme que mais vezes vi na vida e nunca sem chorar, e quiçá a razão pela qual sou professora:

clube poetas mortos

Todos quantos estiverem abertos a abraçar o desafio, be my guest!

Carlos, obrigada pelo desafio! Foi-o deveras! Sinto que me dei a conhecer mais com este post do que com quase um ano de blog. Quem conhecer profundamente as obras que referi acima, sabe que me sabe agora muito melhor.

11 comentários:

Carlos Lopes disse...

Que prazer ser o primeiro a comentar as tuas escolhas, digamos assim.
É um desafio tremendo e também acho que diz muito daquilo que somos ou fomos.
Tenho o disco, li o livro e já vi o filme algumas vezes (já os mostrei aos meus alunos, por exemplo). Posso, portanto, dizer que conheço bem as tuas escolhas e, por isso mesmo, comentá-las:
O disco dos Velvet é intemporal e profundamente marcado pelas drogas (heroína, sobretudo) e pela arte, o que não é de estranhar a banana do Andy na capa. É um disco algo claustrofóbico, fechado sobre si mesmo, como que se contemplando a ele próprio, consciente da obra prima que é. E a capa é magnífica. Quem nunca ouviu este disco, quem nunca o ouviu bem, terá andado entretido a ouvir algumas coisas bem aquém do que os Velvet aqui mostram. Um ícone da Pop Art do séc. passado.
Li o livro (e vi o filme do livro) e arrepiei-me várias vezes pelo desconhecimento daquele mundo, pelo que sentimos ser a condição humana em momentos tão precários, tão próximos do fim e tão atraídos pelo abismo. Nunca consumi qualquer droga (tabaco sim, mas para aqui não conta, e já não fumo há anos), mas sempre tive por ela - a droga - um misto de fascínio e repulsa. Felizmente que a repulsa sempre prevaleceu em mim. Enquanto livro, obra literária, não é nada de especial, como bem sabes, mas como testemunho, marcou uma geração.
Quanto ao filme, é um clássico. Todos o sabemos. É costume irritar-me uma certa unanimidade em relação a certas coisas, mas não fujo e alinho na mesma onda. Já disse e repito: é um clássico recente e deve ser visto com lágrimas nos olhos.

Desculpa tantos comentários, mas foi o que me apeteceu. Obrigado pela prontidão(mesmo que tenhas demorado hora e meia à volta disto). KISS até aí onde estás ;-)

Professorinha disse...

Esse filme também me marcou. O Clube dos Poetas Mortos é um filme de referência para quase todos nós que nos tornámos professores...

Beijos

Tita disse...

se calhar vou fazer :P

ARTUR GUILHERME CARVALHO disse...

Ora nem mais. Velvet Underground of course. A minha primeira audição é em Londres (não digo em que ano) numa festa de Natal em Kings Cross. Foi a minha mãe que me explicou que quem cantava era um gajo chamado Lou Reed. Baby take a walk in the outside. E assim fiz...até hoje. Ando sempre fora...seja lá do que fôr...
O livro que eu li chamava-se simplesmente CHRISTIANE F. Foi um sério sinal de aviso para muitos cruzamentos que se depararam no meu caminho. Mas o fim, disse-me uma amiga alemã, não era excatamente como foi publicado. A bacana continuou a fumar berlaites. HAHAHA!!
DEAD POETS SOCIETY. Ganda malha de filme. Eu que cresci num colégio interno ali me vi de novo. O turbilhão de sentimentos obrigou-me a um ataque de choro no fim. Fantá´sticas escolhas Sofia.
ARTUR

Cati disse...

É nestas alturas que me sinto pequenina e saio sorrateiramente esperando que não se note como sou limitada...

Agora ainda vai ser mais difícil responder ao desafio... se responder, god damn.

Não conheço o disco a que te referes, mas conheço o livro, que me marcou também e mais profundamente o filme.

Boas escolhas linda.
Beijoca*

Cláudia disse...

Acredito que deve ter sido dificil escolher o livro, filme e album.
Eu acho que nao saberia escolher.

Também gostei muito dos filhos da droga, acho que foi um dos primeiros que li!

Boa escolha.

Beijito

Blossom disse...

os filhos da droga li-o quando tinha para aí uns 11 ou 12 anos...ainda hoje me lembro muito bem de quase tudo o que lá está escrito. é daqueles que nos marcam, pelo universo que descobri e que não fazia ideia que existia, e que a gente nunca se esquece.

Beijinho

Blossom disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Xisko the kid disse...

tirando o filme, na minha singela opinião, claro, a escolha é brilhante.

Joseph disse...

Sofia,
Olá

Vou tentar responder ao desafio. Logo que tenha a resposta aviso-te.

Vai acontecer que, se calhar, as minhas respostas talvez não as conheças bem (algumas) outras conheces certamente; Das tuas respostas só de ouvir falar: Não conheço a trilogia!

Beijinho amigo;)*

aespumadosdias disse...

Adoro o filme Before Sunrise. Que filme tão simples e ao mesmo tão deslumbrante.